Estreia hoje no Teatro Oi Casa Grande, Elis, A Musical, que tem produção da Aventura Entretenimento em parceria com a Buenos Dias. O espetáculo, que marca a estreia de Dennis Carvalho na direção de uma peça de teatro, pretende recriar a trajetória de Elis Regina, uma das maiores cantoras da história da música brasileira, cuja voz ficou imortalizada na interpretação de canções como Arrastão, Como Nossos Pais, O Bêbado e a Equilibrista e Fascinação, entre inúmeras outras.

A produção, que custou 10 milhões de reais, tem texto de Nelson Motta (que foi amigo pessoal e produtor de Elis) e Patrícia Andrade, direção musical e arranjos de Delia Fischer e coreografia de Alonso Barros. No papel da protagonista está Laila Garin, escolhida entre 200 candidatas nas audições. O elenco ainda conta com a participação especial de Felipe Camargo (como Ronaldo Bôscoli), além de Claudio Lins (que vive Cesar Camargo Mariano), Ícaro Silva (Jair Rodrigues), Danilo Timm (Lennie Dale), Leo Diniz (Tom Jobim) e Peter Boos (Henfil), entre outros.

Foram escolhidas 51 canções para integrar o repertório da peça, tais como Casa No Campo, Águas De Março, Madalena, O Trem Azul, Deixa Isso Pra Lá, Eu Sei Que Vou Te Amar, Upa Neguinho e Canção Da América.

Elis, A Musical fica em cartaz no Teatro Oi Casa Grande até o início de março de 2014, seguindo para uma temporada em São Paulo e outras cidades do país.

Trilha Sonora em CD – Uma parceria com a Universal Music tornou possível lançar a trilha sonora que inspirou o espetáculo. Trata-de de um álbum duplo com 26 canções originais na voz de Elis Regina, que foram remasterizadas a partir dos tapes originais pelas mãos de João Marcello Bôscoli, seu filho.

Laila Garin na pele de Elis Regina. (Foto: Divulgação)

Laila Garin na pele de Elis Regina. (Foto: Divulgação)

Pimentinha – Nascida em 17 de março de 1945 em Porto Alegre, Elis Regina Carvalho Costa começou a cantar aos 11 anos em programas de rádio. Entre 1961 e 1963, lançou quatro discos, mas só começou a fazer sucesso quando deixou o Rio Grande do Sul, em 1964. No ano seguinte veio o estouro ao interpretar Arrastão (de Edu Lobo e Vinícius de Moraes) vencendo, assim, o primeiro Festival de Música Popular Brasileira. Geniosa e exigente, Elis costumava ser muito competitiva: amigos contam que ela não admitia estar em segundo lugar. Possessiva, ela proibia que os músicos de sua banda tocassem com outros artistas, em especial cantoras. Por outro lado, era uma mulher corajosa e à frente de seu tempo: gostava de apostar em compositores até então desconhecidos (como Milton Nascimento, João Bosco e Renato Teixeira) e mantinha controle total sobre sua carreira, numa época em que os executivos das gravadoras eram extremamente machistas e ainda havia muito preconceito contra as mulheres. Ela faleceu na manhã de 19 de janeiro de 1982, aos 36 anos, vítima de uma overdose de cocaína e álcool.

Serviço: Elis, A Musical | Teatro Oi Casa Grande: Av. Afrânio de Melo Franco, 290. Leblon – RJ | Bilheteria: (21) 2511-0800 | Temporada: de 08/11/13 a 02/03/14 | Horário: quinta e sexta às 21h, sábado às 17h e 21h, domingo às 19h | Classificação: Não recomendado para menores de 12 anos | Duração: 2h10 (com intervalo de 15 min) – 130 minutos.

Comments

comments